sábado, 22 de setembro de 2007

Encontro Imediato de 3º grau

Talvez tenha exagerado no título, talvez... mas era o que dizia o meu horóscopo para esta semana, no plano afectivo (LOL)!

Agora a sério. Esta semana tive realmente um encontro especial - conheci a minha turma de CEF! (talvez o plano afectivo do horóscopo não se referisse a este encontro, mas não haja dúvida que existe, ou deveria existir, afectividade numa relação aluno-professor).

As turmas de CEF são especiais. Quem já trabalhou com elas, ou apenas ouviu referências, sabe que é assim. Alunos com interesses divergentes dos escolares, muito desmotivados, em risco de abandono escolar, resumindo, turmas problemáticas.

A vantagem destas turmas é que esses mesmos alunos conseguem fazer o 9º ano em 2 ou mesmo num 1 ano, num currículo mais simples, com mais componentes práticas.

A desvantagem, bom, essa nem é preciso pensar muito. Numa turma estão presentes todos os alunos (ou quase todos, porque as turmas não podem ser muito grandes) que provocavam conflitos nas turmas regulares e que às vezes, e em algumas escolas é essa a sensação, são empurrados para este tipo de curso.

Andam no CEF por "obrigação" sem se aperceberem das regalias que estão a usufruir. O ensino é mais facilitado, os critérios de avaliação são adaptados à turma, não têm despesas com a escola e no final obtêm o 9º ano de escolaridade, sem grande esforço da sua parte, excepto o facto de terem de estar presentes na aula. Cada vez se ouve mais falar neste tipo de ensino, cada vez mais escolas tentam implementar cursos CEF. Às vezes penso se, da maneira que as coisas caminham, com o facilitismo a invadir as nossas escolas, as turmas regulares não darão lugar a turmas de CEF...

Esta minha turma foi convertida em CEF, depois de um ano a funcionar como PIEF, em instalações fora da escola.

O cenário que me pintaram era tão negro que, confesso, andei a semana toda preocupada, com um certo receio do que iria encontrar. Em comum todos apontavam a ausência de regras na sala de aula, linguagem inadequada, pouca ou nenhuma vontade de trabalhar, ausência de material (que eles não estão para se cansar a transportar os cadernos). Mas pelos vistos, alguns destes aspectos aconteciam com a conivência dos próprios professores. Ou seja, eu estava assustada! Agora acrescentem o facto de ir dar a esta turma 2 disciplinas, sendo uma delas Matemática Aplicada. Podem crer que me apliquei a semana toda para preparar estas benditas aulas...
O primeiro encontro foi às 8h30. Apareceram 13 alunos (2 já estão a faltar desde o início). A sala não é muito grande, mas também não estamos muito apertados. O problema é o cheiro... As cadeiras têm os estofos rasgados e um armário serve de depósito do material (os cadernos não saem da sala de aula) que lhes é fornecido pela coordenadora e a quem solicitam tudo o que lhes faz falta.

Quanto aos alunos, o cenário que imaginei foi bem diferente. Participaram nas tarefas propostas (e alguns pode mesmo dizer-se activamente), nunca se recusando a nenhuma. Nota-se que são alunos com muitas dificuldades, alguns são bem mais limitados que os meus alunos de 7º ano. Alguns colegas que já trabalharam com a turma no ano passado também reconheceram mudanças nas atitudes. Esperemos que estes se mantenham assim, em especial no cumprimento de regras, que era o seu grande defeito.

O primeiro impacto foi positivo, até me pareceram interessados!? Sinceramente, espero não me ter enganado nesta primeira impressão e não ter de aparecer por aqui com as mãos na cabeça...

Na aula de Matemática Aplicada tivemos uma presença especial a assistir. Uma centopeia, que resolveu andar a passear por toda a sala. Numa sala com aquelas condições, qual será o próximo visitante?

10 comentários:

Pedro disse...

Pelo que vejo lá na minha escola não deve ser nada fácil leccionar a turmas do CEF. Miúdos com insucesso escolar que são empurrados para esses cursos para terminarem a todo o custo o ensino básico. Tem paciência e não lhes dês muita confiança...

Cris disse...

Espero que essa tua primeira opinião se mantenha pelo ano fora e consigas trabalhar com estes alunos... é lamentavel que se facilite ao máximo a sua passagem pela escola e muitos destes alunos simplesmente estão ali para boicotar o nosso imenso esforço.

Boa sorte!
Beijinhos

as-nunes disse...

Coragem e confiança, professora. Com os seus olhos azuis e as ideias que lhe jorram na mente, há-se conseguir os melhores resultados com os seus alunos.
Bom trabalho.
António

Andreia Videira disse...

Espero que o cenário se mantenha e que eles realmente se apliquem...

... Já pensaste em como receber as baratas(lol)! :P

Professorinha disse...

Ai rapariga, ainda bem que foste supreendida pela positiva... Até agora só tive desilusões... E ainda me dizem: ah, é segunda feira... como se isso fosse justificação seja para que for...

Beijos

Flôr disse...

Oi querida! :)

Estou no meu local de trabalho, é hora de almoço e aproveito para "visitar" cantinhhos amigos e como não podia deixar de ser... parei por aqui.... para TE SENTIR, para saber como estás :))

Resumindo, professor sofre!!!
Então esta turma é um novo desafio para ti!! e que desafio! Mas pensamento positivo!

Um pensamento de Augusto Cury te deixo:

"OS SONHOS DE UM SONHADOR, NÃO MORREM COM ELE."

Fofinha, um bom e agradável resto de dia para ti e para todos aqueles que por aqui passam!


Fica também para ti, o sorriso do meu coração :))))

Flor com alegria e carinho imenso

25/9/07

Bichodeconta disse...

Calma, com calma vai alcançar a meta a que se tiver proposto..um abraço, ell

Eskisito disse...

Tens sorte...podia calhar-te a centopeia e um monte de alunos com facas a querer despachá-la...
Beijos

Tozé Franco disse...

Este ano temos um CEF pela 1ª vez.
Embora não lhes dê aulas, já quase todos foram meus alunos e por isso conheço-os bem. Tenho esperança que consigamos fazer algo. A ver vamos.
Um abraço.

Marina disse...

Vais ver que vai tudo correr bem! =)

E quanto ao visitante, fica a saber que eu, desde que me disseram (ha muuuuuuuuuuuuitos anos atras) que as centopeias comem aranhas, passei a ser fã!
E nem deixava a minha mae mata-las!

Beijitos e ate breve